ALTER AVAILABILITY GROUP (Transact-SQL)

Aplica-se a:SQL Server

Altera um grupo de disponibilidade Always On existente no SQL Server. A maioria dos argumentos ALTER AVAILABILITY GROUP só têm suporte na réplica primária atual. Entretanto, os argumentos JOIN, FAILOVER e FORCE_FAILOVER_ALLOW_DATA_LOSS só têm suporte na réplica secundária.

Convenções de sintaxe de Transact-SQL

Sintaxe

  
ALTER AVAILABILITY GROUP group_name   
  {  
     SET ( <set_option_spec> )   
   | ADD DATABASE database_name   
   | REMOVE DATABASE database_name  
   | ADD REPLICA ON <add_replica_spec>   
   | MODIFY REPLICA ON <modify_replica_spec>  
   | REMOVE REPLICA ON <server_instance>  
   | JOIN  
   | JOIN AVAILABILITY GROUP ON <add_availability_group_spec> [ ,...2 ]  
   | MODIFY AVAILABILITY GROUP ON <modify_availability_group_spec> [ ,...2 ]  
   | GRANT CREATE ANY DATABASE  
   | DENY CREATE ANY DATABASE  
   | FAILOVER  
   | FORCE_FAILOVER_ALLOW_DATA_LOSS   
   | ADD LISTENER 'dns_name' ( <add_listener_option> )  
   | MODIFY LISTENER 'dns_name' ( <modify_listener_option> )  
   | RESTART LISTENER 'dns_name'  
   | REMOVE LISTENER 'dns_name'  
   | OFFLINE  
  }  
[ ; ]  
  
<set_option_spec> ::=   
    AUTOMATED_BACKUP_PREFERENCE = { PRIMARY | SECONDARY_ONLY| SECONDARY | NONE }  
  | FAILURE_CONDITION_LEVEL  = { 1 | 2 | 3 | 4 | 5 }   
  | HEALTH_CHECK_TIMEOUT = milliseconds  
  | DB_FAILOVER  = { ON | OFF }   
  | DTC_SUPPORT  = { PER_DB | NONE }  
  | REQUIRED_SYNCHRONIZED_SECONDARIES_TO_COMMIT = { integer }
  | ROLE = SECONDARY
  
<server_instance> ::=   
 { 'system_name[\instance_name]' | 'FCI_network_name[\instance_name]' }  
  
<add_replica_spec>::=  
  <server_instance> WITH  
    (  
       ENDPOINT_URL = 'TCP://system-address:port',  
       AVAILABILITY_MODE = { SYNCHRONOUS_COMMIT | ASYNCHRONOUS_COMMIT | CONFIGURATION_ONLY },  
       FAILOVER_MODE = { AUTOMATIC | MANUAL }   
       [ , <add_replica_option> [ ,...n ] ]  
    )   
  
  <add_replica_option>::=  
       SEEDING_MODE = { AUTOMATIC | MANUAL }  
     | BACKUP_PRIORITY = n  
     | SECONDARY_ROLE ( {   
            [ ALLOW_CONNECTIONS = { NO | READ_ONLY | ALL } ]   
        [,] [ READ_ONLY_ROUTING_URL = 'TCP://system-address:port' ]  
     } )  
     | PRIMARY_ROLE ( {   
            [ ALLOW_CONNECTIONS = { READ_WRITE | ALL } ]   
        [,] [ READ_ONLY_ROUTING_LIST = { ( '<server_instance>' [ ,...n ] ) | NONE } ]  
        [,] [ READ_WRITE_ROUTING_URL = { ( '<server_instance>' ) ] 
     } )  
     | SESSION_TIMEOUT = integer
  
<modify_replica_spec>::=  
  <server_instance> WITH  
    (    
       ENDPOINT_URL = 'TCP://system-address:port'   
     | AVAILABILITY_MODE = { SYNCHRONOUS_COMMIT | ASYNCHRONOUS_COMMIT }   
     | FAILOVER_MODE = { AUTOMATIC | MANUAL }   
     | SEEDING_MODE = { AUTOMATIC | MANUAL }   
     | BACKUP_PRIORITY = n  
     | SECONDARY_ROLE ( {   
          ALLOW_CONNECTIONS = { NO | READ_ONLY | ALL }   
        | READ_ONLY_ROUTING_URL = 'TCP://system-address:port'   
          } )  
     | PRIMARY_ROLE ( {   
          ALLOW_CONNECTIONS = { READ_WRITE | ALL }   
        | READ_ONLY_ROUTING_LIST = { ( '<server_instance>' [ ,...n ] ) | NONE }   
          } )  
     | SESSION_TIMEOUT = seconds  
    )   
  
<add_availability_group_spec>::=  
 <ag_name> WITH  
    (  
       LISTENER_URL = 'TCP://system-address:port',  
       AVAILABILITY_MODE = { SYNCHRONOUS_COMMIT | ASYNCHRONOUS_COMMIT },  
       FAILOVER_MODE = MANUAL,  
       SEEDING_MODE = { AUTOMATIC | MANUAL }  
    )  
  
<modify_availability_group_spec>::=  
 <ag_name> WITH  
    (  
       LISTENER = 'TCP://system-address:port'  
       | AVAILABILITY_MODE = { SYNCHRONOUS_COMMIT | ASYNCHRONOUS_COMMIT }  
       | SEEDING_MODE = { AUTOMATIC | MANUAL }  
    )  
  
<add_listener_option> ::=  
   {  
      WITH DHCP [ ON ( <network_subnet_option> ) ]  
    | WITH IP ( { ( <ip_address_option> ) } [ , ...n ] ) [ , PORT = listener_port ]  
   }  
  
  <network_subnet_option> ::=  
     'ipv4_address', 'ipv4_mask'    
  
  <ip_address_option> ::=  
     {   
        'four_part_ipv4_address', 'four_part_ipv4_mask'  
      | 'ipv6_address'  
     }  
  
<modify_listener_option>::=  
    {  
       ADD IP ( <ip_address_option> )   
     | PORT = listener_port  
    }  
  

Observação

Para ver a sintaxe do Transact-SQL para o SQL Server 2014 e versões anteriores, confira a Documentação das versões anteriores.

Argumentos

group_name
Especifica o nome do novo grupo de disponibilidade. group_name deve ser um identificador válido do SQL Server e deve ser exclusivo em todos os grupos de disponibilidade no cluster WSFC.

AUTOMATED_BACKUP_PREFERENCE = { PRIMARY | SECONDARY_ONLY| SECONDARY | NONE }
Especifica uma preferência sobre como um trabalho de backup deve avaliar a réplica primária ao escolher onde executar backups. Você pode criar um script de um determinado trabalho de backup para considerar a preferência de backup automatizada. É importante compreender que a preferência não é imposta pelo SQL Server e, portanto, não tem nenhum impacto em backups ad hoc.

Com suporte apenas na réplica principal.

Os valores são os seguintes:

PRIMARY
Especifica que os backups sempre devem ocorrer na réplica primária. Essa opção será útil se você precisar de recursos de backup, como a criação de backups diferenciais, que não têm suporte quando o backup é executado em uma réplica secundária.

Importante

Se você pretende usar o envio de logs para preparar qualquer banco de dados secundário para um grupo de disponibilidade, defina a preferência de backup automatizada como Primário até que todos os bancos de dados secundários estejam preparados e associados ao grupo de disponibilidade.

SECONDARY_ONLY
Especifica que os backups nunca devem ser executados na réplica primária. Se a réplica primária for a única réplica online, o backup não deveria ocorrer.

SECONDARY
Especifica que os backups devem ocorrer em uma réplica secundária, exceto quando a réplica primária for a única réplica online. Nesse caso, o backup deve ocorrer na réplica primária. Esse é o comportamento padrão.

Nenhuma
Especifica que você prefere que trabalhos de backup ignorem a função das réplicas de disponibilidade ao escolher a réplica para executar backups. Observe que os trabalhos de backup podem avaliar outros fatores, como prioridade de backup de cada réplica de disponibilidade em combinação com seu estado operacional e estado conectado.

Importante

Não há nenhuma imposição da configuração AUTOMATED_BACKUP_PREFERENCE. A interpretação dessa preferência depende da lógica, se houver, que você usa para o script em trabalhos de backup para os bancos de dados em um determinado grupo de disponibilidade. A configuração de preferência de backup automatizada não tem nenhum impacto sobre backups ad hoc. Para obter mais informações, confira Configurar o backup em réplicas de disponibilidade (SQL Server).

Observação

Para exibir a preferência de backup automatizada de um grupo de disponibilidade existente, selecione a coluna automated_backup_preference ou automated_backup_preference_desc da exibição do catálogo sys.availability_groups. Além disso, sys.fn_hadr_backup_is_preferred_replica (Transact-SQL) pode ser usado para determinar a réplica de backup preferencial. Esta função sempre retornará 1 para pelo menos uma das réplicas, mesmo quando AUTOMATED_BACKUP_PREFERENCE = NONE.

FAILURE_CONDITION_LEVEL = { 1 | 2 | 3 | 4 | 5 }
Especifica quais condições de falha que dispararão um failover automático para esse grupo de disponibilidade. FAILURE_CONDITION_LEVEL é definido no nível do grupo, mas só é relevante em réplicas de disponibilidade configuradas para o modo de disponibilidade de confirmação síncrona (AVAILABILITY_MODE = SYNCHRONOUS_COMMIT). Além disso, as condições de falha apenas poderão disparar um failover automático se as réplicas primária e secundária estiverem configuradas para o modo de failover automático (FAILOVER_MODE = AUTOMATIC) e a réplica secundária estiver sincronizada com a réplica primária no momento.

Com suporte apenas na réplica principal.

Os níveis da condição de falha (1 a 5) variam do menos restritivo, nível 1, até o mais restritivo, nível 5. Um determinado nível de condição abrange todos os níveis menos restritivos. Assim, o nível de condição mais rígido, 5, inclui os quatro níveis de condição menos restritivos (1 a 4), o nível 4 inclui os níveis 1 a 3 e assim sucessivamente. A tabela a seguir descreve a condição de falha que corresponde a cada nível.

Nível Condição de falha
1 Especifica que um failover automático deverá ser iniciado quando uma destas condições ocorrer:

O serviço SQL Server está inativo.

A concessão do grupo de disponibilidade para conexão com o cluster WSFC expira porque nenhum ACK foi recebido da instância de servidor. Para obter mais informações, confira Como funciona: Tempo limite de concessão do Always On do SQL Server.
2 Especifica que um failover automático deverá ser iniciado quando uma destas condições ocorrer:

A instância do SQL Server não se conecta ao cluster e o limite de HEALTH_CHECK_TIMEOUT especificado pelo usuário do grupo de disponibilidade é excedido.

A réplica de disponibilidade está em estado de falha.
3 Especifica que um failover automático deve ser iniciado em erros internos críticos do SQL Server, como spinlocks órfãos, violações do acesso de gravação graves ou muito descarte.

Esse é o comportamento padrão.
4 Especifica que um failover automático deve ser iniciado em caso de erros internos moderados do SQL Server, como uma condição de memória insuficiente persistente no pool de recursos interno do SQL Server.
5 Especifica que um failover automático deve ser iniciado em qualquer condição de falha qualificada, incluindo:

Esgotamento dos threads de trabalho do SQL Engine.

Detecção de um deadlock insolúvel.

Observação

A falta de resposta por uma instância do SQL Server para solicitações cliente não é relevante para grupos de disponibilidade.

Os valores FAILURE_CONDITION_LEVEL e HEALTH_CHECK_TIMEOUT definem uma política de failover flexível para determinado grupo. Essa política de failover flexível permite a você um controle granular sobre quais condições devem causar um failover automático. Para obter mais informações, confira Política de failover flexível para failover automático de um grupo de disponibilidade (SQL Server).

HEALTH_CHECK_TIMEOUT =milliseconds
Especifica o tempo de espera (em milissegundos) para o procedimento armazenado do sistema sp_server_diagnostics retornar informações de integridade do servidor antes que o cluster WSFC assuma que a instância do servidor está lenta ou não está respondendo. HEALTH_CHECK_TIMEOUT é definido no nível do grupo, mas é apenas relevante em réplicas de disponibilidade configuradas para o modo de disponibilidade de confirmação síncrona com failover automático (AVAILABILITY_MODE = SYNCHRONOUS_COMMIT). Além disso, o tempo limite da verificação de integridade apenas poderá disparar um failover automático se as réplicas primárias e secundárias estiverem configuradas para o modo de failover automático (FAILOVER_MODE = AUTOMATIC) e a réplica secundária estiver sincronizada com a réplica primária no momento.

O valor HEALTH_CHECK_TIMEOUT padrão é 30.000 milissegundos (30 segundos). O valor mínimo é 15000 milissegundos (15 segundos) e o máximo é 4294967295 milissegundos.

Com suporte apenas na réplica principal.

Importante

sp_server_diagnostics não realiza verificações de integridade no nível de banco de dados.

DB_FAILOVER = { ON | OFF }
Especifica a resposta a ser usada quando um banco de dados na réplica primária estiver offline. Quando estiver definida como ON, qualquer status diferente de ONLINE para um banco de dados no grupo de disponibilidade disparará um failover automático. Quando essa opção estiver definida como OFF, somente a integridade da instância será usada para disparar um failover automático.

Para obter mais informações sobre essa configuração, consulte Opção de detecção de integridade no nível do banco de dados

DTC_SUPPORT = { PER_DB | NONE }
Especifica se as transações distribuídas estão habilitadas para este Grupo de Disponibilidade. Somente há suporte para transações distribuídas para bancos de dados de grupo de disponibilidade do SQL Server 2016 (13.x) em diante e transações entre bancos de dados têm suporte apenas do SQL Server 2016 (13.x) SP2 em diante. PER_DB cria o grupo de disponibilidade com suporte para essas transações e promoverá automaticamente transações entre bancos de dados envolvendo bancos de dados no grupo de disponibilidade para transações distribuídas. NONE impede a promoção automática de transações entre bancos de dados para transações distribuídas e não registra o banco de dados com um RMID estável no DTC. Transações distribuídas não são impedidas quando a configuração NONE é usada, mas o failover de banco de dados e a recuperação automática podem não ter êxito em algumas circunstâncias. Para obter mais informações, confira Transações entre bancos de dados e transações distribuídas para espelhamento de banco de dados e grupos de disponibilidade Always On (SQL Server).

Observação

O suporte para alterar a configuração de DTC_SUPPORT de um grupo de disponibilidade foi introduzido no SQL Server 2016 (13.x) Service Pack 2. Essa opção não pode ser usada com versões anteriores. Para alterar essa configuração em versões anteriores do SQL Server, você deve usar as opções DROP para remover e CREATE para criar o grupo de disponibilidade novamente.

REQUIRED_SYNCHRONIZED_SECONDARIES_TO_COMMIT

Introduzido no SQL Server 2017 (14.x). Define um número mínimo de réplicas secundárias síncronas que devem ser confirmadas antes que a réplica primária confirme uma transação. Garante que as transações do SQL Server esperem até que os logs de transações sejam atualizados no número mínimo de réplicas secundárias.

  • Padrão: 0. Fornece o mesmo comportamento que o SQL Server 2016 (13.x).
  • Mínimo: 0
  • Máximo: número de réplicas menos 1.

REQUIRED_SYNCHRONIZED_SECONDARIES_TO_COMMIT refere-se a réplicas no modo de confirmação síncrona. Quando as réplicas estão no modo de confirmação síncrona, as gravações na réplica primária aguardam até que as gravações nas réplicas síncronas sejam confirmadas no log de transação do banco de dados de réplica. Se um SQL Server que hospeda uma réplica síncrona secundária parar de responder, o SQL Server que hospeda a réplica primária marcará essa réplica secundária como NOT SYNCHRONIZED e continuará. Quando o banco de dados sem resposta voltar a ficar online, ele estará em um estado "não sincronizado", e a réplica será marcada como não íntegra até que a primária possa sincronizá-la novamente. Essa configuração garante que a réplica primária não prossiga até que o número mínimo de réplicas tenha confirmado cada transação. Se o número mínimo de réplicas não estiver disponível, as confirmações na primária não serão concluídas. Para o tipo de cluster EXTERNAL, a configuração é alterada quando o grupo de disponibilidade é adicionado a um recurso de cluster. Consulte Alta disponibilidade e proteção de dados para as configurações de grupo de disponibilidade.

A partir do SQL Server 2022 (16.x), você pode definir REQUIRED_SYNCHRONIZED_SECONDARIES_TO_COMMIT em um grupo de disponibilidade distribuído. Não há suporte para essa configuração para CREATE AVAILABILITY GROUP. Você pode usar ALTER AVAILABILITY GROUP para definir REQUIRED_SYNCHRONIZED_SECONDARIES_TO_COMMIT. Por exemplo:

ALTER AVAILABILITY GROUP [<name>] 
  SET (REQUIRED_SYNCHRONIZED_SECONDARIES_TO_COMMIT = <integer>);

ROLE
O único parâmetro válido é 'SECONDARY', e a opção SET só é válida em Grupos de Disponibilidade Distribuídos. Ele é usado para fazer failover de um grupo de disponibilidade distribuído, conforme documentado aqui: ALTER AVAILABILITY GROUP

ADD DATABASE database_name
Especifica uma lista de um ou mais bancos de dados do usuário que você deseja acrescentar ao grupo de disponibilidade. Esses bancos de dados devem residir na instância do SQL Server que hospeda a réplica primária atual. É possível especificar vários bancos de dados para um grupo de disponibilidade, mas cada banco de dados pode pertencer a apenas um grupo de disponibilidade. Para obter informações sobre os tipos de bancos de dados compatíveis com um grupo de disponibilidade, confira Pré-requisitos, restrições e recomendações para grupos de disponibilidade Always On (SQL Server). Para descobrir quais bancos de dados locais já pertencem a um grupo de disponibilidade, consulte a coluna replica_id na exibição do catálogo sys.databases.

Com suporte apenas na réplica principal.

Observação

Depois de criar o grupo de disponibilidade, você precisará conectar cada instância de servidor que hospeda uma réplica secundária, preparar cada banco de dados secundário e adicioná-lo ao grupo de disponibilidade. Para obter mais informações, confira Iniciar movimentação de dados em um banco de dados secundário Always On (SQL Server).

REMOVE DATABASE database_name
Remove o banco de dados primário especificado e os bancos de dados secundários correspondentes do grupo de disponibilidade. Com suporte apenas na réplica principal.

Para obter informações sobre o acompanhamento recomendado depois de remover um banco de dados de disponibilidade de um grupo de disponibilidade, confira Remover um banco de dados primário de um grupo de disponibilidade (SQL Server).

ADD REPLICA ON
Especifica de uma a oito instâncias do SQL Server para hospedar réplicas secundárias em um grupo de disponibilidade. Cada réplica é especificada por seu endereço de instância de servidor seguido por uma cláusula WITH (...).

Com suporte apenas na réplica principal.

É necessário unir cada réplica secundária nova ao grupo de disponibilidade. Para obter mais informações, consulte a descrição da opção JOIN, posteriormente nesta seção.

<server_instance>
Especifica o endereço da instância do SQL Server que hospeda uma réplica. O formato de endereço depende se a instância é a instância padrão ou uma instância nomeada, e se é uma instância autônoma ou uma instância de cluster de failover (FCI). A sintaxe é mostrada a seguir:

{ 'system_name[\instance_name]' | 'FCI_network_name[\instance_name]' }

Os componentes desse endereço são os seguintes:

system_name
É o nome NetBIOS do computador do sistema no qual reside uma instância de destino do SQL Server. Esse computador deve ser um nó WSFC.

FCI_network_name
É o nome da rede usada para acessar um cluster de failover do SQL Server. Use-o se a instância de servidor participar como um parceiro de failover do SQL Server. Executar SELECT @@SERVERNAME em uma instância de servidor FCI retorna a cadeia de caracteres 'FCI_network_name[\instance_name]' inteira (que é o nome completo da réplica).

instance_name
É o nome de uma instância de um SQL Server hospedada por system_name ou FCI_network_name que tem Always On habilitado. Para uma instância de servidor padrão, instance_name é opcional. O nome da instância não diferencia maiúsculas de minúsculas. Em uma instância de servidor autônoma, esse nome de valor é igual ao valor retornado pela execução de SELECT @@SERVERNAME.

\
É um separador usado apenas ao especificar instance_name para separá-lo de system_name ou de FCI_network_name.

Para obter informações sobre os pré-requisitos para nós WSFC e instâncias de servidor, confira Pré-requisitos, restrições e recomendações para Grupos de Disponibilidade Always On (SQL Server).

ENDPOINT_URL ='TCP://system-address:port'
Especifica o caminho da URL para a instância de ponto de extremidade de espelhamento de banco de dados na instância do SQL Server que hospedará a réplica de disponibilidade que você está adicionando ou modificando.

ENDPOINT_URL é necessário na cláusula ADD REPLICA ON e opcional na cláusula MODIFY REPLICA ON. Para obter mais informações, confira Especificar a URL do ponto de extremidade ao adicionar ou modificar uma réplica de disponibilidade (SQL Server).

'TCP://system-address:port'
Especifica uma URL para especificar uma URL de ponto de extremidade ou URL de roteamento somente leitura. Os parâmetros de URL são os seguintes:

system-address
É uma cadeia de caracteres, como um nome de sistema, um nome de domínio totalmente qualificado ou um endereço IP, que identifica de forma exclusiva o sistema do computador de destino.

port
É um número da porta associado ao ponto de extremidade de espelhamento da instância do servidor (para a opção ENDPOINT_URL) ou o número da porta usado pelo Mecanismo de Banco de Dados da instância de servidor (para a opção READ_ONLY_ROUTING_URL).

AVAILABILITY_MODE = { SYNCHRONOUS_COMMIT | ASYNCHRONOUS_COMMIT | CONFIGURATION_ONLY }
Especifica se a réplica primária tem que esperar a réplica secundária confirmar o fortalecimento (gravação) dos registros de log no disco, antes de a réplica primária poder confirmar a transação em um determinado banco de dados primário. As transações em bancos de dados diferentes na mesma réplica primária podem ser confirmadas independentemente.

SYNCHRONOUS_COMMIT
Especifica se a réplica primária esperará para confirmar transações até que eles tenham sido fortalecidas nessa réplica secundária (modo de confirmação síncrona). Você pode especificar SYNCHRONOUS_COMMIT para até três réplicas, inclusive a réplica primária.

ASYNCHRONOUS_COMMIT
Especifica se a réplica primária confirma transações sem esperar que essa réplica secundária fortaleça o log (modo de disponibilidade de confirmação síncrona). Você pode especificar ASYNCHRONOUS_COMMIT para até cinco réplicas de disponibilidade, inclusive a réplica primária.

CONFIGURATION_ONLY Especifica que a réplica primária confirma de forma síncrona os metadados de configuração do grupo de disponibilidade no banco de dados mestre dessa réplica. A réplica não conterá dados de usuário. Essa opção:

  • Pode ser hospedada em qualquer edição do SQL Server, inclusive a Express Edition.

  • Requer que o ponto de extremidade de espelhamento de dados da réplica de CONFIGURATION_ONLY seja do tipo WITNESS.

  • Não pode ser alterada.

  • É inválida quando CLUSTER_TYPE = WSFC.

    Para obter mais informações, consulte Réplica somente configuração.

AVAILABILITY_MODE é necessário na cláusula ADD REPLICA ON e opcional na cláusula MODIFY REPLICA ON. Para obter mais informações, confira Modos de disponibilidade (grupos de disponibilidade Always On).

FAILOVER_MODE = { AUTOMATIC | MANUAL }
Especifica o modo de disponibilidade da réplica de disponibilidade que você está definindo.

AUTOMATIC
Permite o failover automático. AUTOMATIC só terá suporte se você também especificar AVAILABILITY_MODE = SYNCHRONOUS_COMMIT. Você pode especificar AUTOMATIC para três réplicas de disponibilidade, inclusive a réplica primária.

Observação

Antes do SQL Server 2016, você estava limitado a duas réplicas de failover automático, incluindo a réplica primária

Observação

As FCIs (Instâncias de cluster de failover) do SQL Server não dão suporte ao failover automático por grupos de disponibilidade, de modo que qualquer réplica de disponibilidade que esteja hospedado por um FCI só pode ser configurada para failover manual.

MANUAL
Habilita o failover manual ou o failover manual forçado (failover forçado) pelo administrador de banco de dados.

FAILOVER_MODE é necessário na cláusula ADD REPLICA ON e opcional na cláusula MODIFY REPLICA ON. Existem dois tipos de failover manual: failover manual sem perda de dados e failover forçado (com possível perda de dados), que têm suporte em condições diferentes. Para obter mais informações, confira Failover e modos de failover (grupos de disponibilidade Always On).

SEEDING_MODE = { AUTOMATIC | MANUAL }
Especifica como a réplica secundária será propagada inicialmente.

AUTOMATIC
Habilita a propagação direta. Esse método propagará a réplica secundária na rede. Esse método não exige que você faça backup e restauração de uma cópia do banco de dados primário na réplica.

Observação

Para a propagação direta, é necessário permitir a criação de banco de dados em cada réplica secundária chamando ALTER AVAILABILITY GROUP com a opção GRANT CREATE ANY DATABASE.

MANUAL
Especifica a propagação manual (padrão). Esse método requer que você crie um backup do banco de dados na réplica primária e restaure manualmente esse backup na réplica secundária.

BACKUP_PRIORITY =n
Especifica sua prioridade para executar backups nesta réplica em relação às outras réplicas no mesmo grupo de disponibilidade. O valor é um número inteiro no intervalo de 0..100. Esses valores têm estes significados:

  • 1..100 indica que a réplica de disponibilidade pode ser escolhida para executar backups. 1 indica a prioridade mais baixa, e 100 indica a prioridade mais alta. Se BACKUP_PRIORITY = 1, a réplica de disponibilidade será escolhida para só executar backups se nenhuma réplica de disponibilidade de prioridade mais alta estiver atualmente disponível.

  • 0 indica que essa réplica de disponibilidade nunca será escolhida para executar backups. Isso é útil, por exemplo, para uma réplica de disponibilidade remota para a qual você nunca deseja que ocorra o failover de backups.

Para obter mais informações, confira Secundárias ativas: backup em réplicas secundárias (grupos de disponibilidade Always On).

SECONDARY_ROLE ( ... )
Especifica configurações específicas de papel que terão efeito se essa réplica de disponibilidade tiver a função secundária (ou seja, sempre que for uma réplica secundária) no momento. Dentro dos parênteses, especifique uma ou ambas as opções de função secundária. Se você especificar ambas, use uma lista separada por vírgulas.

As opções de função secundária são as seguintes:

ALLOW_CONNECTIONS = { NO | READ_ONLY | ALL }
Especifica se os bancos de dados de uma determinada réplica de disponibilidade que está executando a função primária (isto é, está atuando como uma réplica secundária) podem aceitar conexões de clientes. Pode ser:

Não
Nenhuma conexão de usuário é permitida para bancos de dados secundários desta réplica. Eles não estão disponíveis para acesso de leitura. Esse é o comportamento padrão.

READ_ONLY
Apenas conexões são permitidas com os bancos de dados na réplica secundária em que a propriedade Application Intent está definida como ReadOnly. Para obter mais informações sobre essa propriedade, consulte Using Connection String Keywords with SQL Server Native Client.

ALL
Todas as conexões são permitidas com os bancos de dados na réplica secundária para acesso somente leitura.

Para obter mais informações, confira Secundárias ativas: réplicas secundárias legíveis (grupos de disponibilidade Always On).

READ_ONLY_ROUTING_URL =' TCP ://system-address:port'
Especifica a URL a ser usada para rotear solicitações de conexão de intenção de leitura para esta réplica de disponibilidade. Esta é a URL na qual o Mecanismo de Banco de Dados do SQL Server escuta. Normalmente, a instância padrão do Mecanismo de Banco de Dados do SQL Server escuta na porta TCP 1433.

Para uma instância nomeada, você pode obter o número da porta consultando as colunas port e type_desc da exibição de gerenciamento dinâmico sys.dm_tcp_listener_states. A instância do servidor usa o ouvinte Transact-SQL (type_desc='TSQL' ).

Para obter mais informações de como calcular a URL de roteamento somente leitura de uma réplica de disponibilidade, confira Calculating read_only_routing_url for Always On (Calculando a read_only_routing_url para Always On).

Observação

Para uma instância nomeada do SQL Server, o ouvinte do Transact-SQL deve ser configurado para usar uma porta específica. Para obter mais informações, confira Configurar um servidor para escuta em uma porta TCP específica (SQL Server Configuration Manager).

PRIMARY_ROLE ( ... )
Especifica configurações específicas de papel que terão efeito se essa réplica de disponibilidade tiver a função primária (ou seja, sempre que for uma réplica primária) no momento. Dentro dos parênteses, especifique uma ou ambas as opções de função primária. Se você especificar ambas, use uma lista separada por vírgulas.

As opções de função primária são as seguintes:

ALLOW_CONNECTIONS = { READ_WRITE | ALL }
Especifica o tipo de conexão que os bancos de dados de uma determinada réplica de disponibilidade que está executando a função primária (isto é, está atuando como uma réplica primária) podem aceitar de clientes. O tipo pode ser:

READ_WRITE
Conexões em que a propriedade de conexão Application Intent é definida como ReadOnly não são permitidas. Quando a propriedade Application Intent está definida como ReadWrite ou não está definida, a conexão é permitida. Para obter mais informações sobre a propriedade de conexão Tentativa de Aplicativo, consulte Using Connection String Keywords with SQL Server Native Client.

ALL
Todas as conexões são permitidas com os bancos de dados na réplica primária. Esse é o comportamento padrão.

READ_ONLY_ROUTING_LIST = { ('<server_instance>' [ ,...n ] ) | NONE }
Especifica uma lista separada por vírgulas de instâncias de servidor que hospedam réplicas para este grupo de disponibilidade que atendem aos seguintes requisitos ao serem executados na função secundária:

  • Ser configurado para permitir todas as conexões ou conexões somente leitura (veja o argumento ALLOW_CONNECTIONS da opção SECONDARY_ROLE acima).

  • Ter a URL de roteamento somente leitura definida (veja o argumento READ_ONLY_ROUTING_URL da opção SECONDARY_ROLE acima).

Os valores READ_ONLY_ROUTING_LIST são os seguintes:

<server_instance>
Especifica o endereço da instância do SQL Server que é o host para uma réplica de disponibilidade que é uma réplica secundária legível ao ser executada na função secundária.

Use uma lista separada por vírgulas para especificar todas as instâncias de servidor que podem hospedar uma réplica secundária legível. O roteamento somente leitura seguirá a ordem na qual as instâncias de servidor são especificadas na lista. Se você incluir uma instância de servidor de host de uma réplica na lista de roteamento somente leitura da réplica, colocar esta instância de servidor no final da lista geralmente é uma boa prática, de forma que as conexões de intenção de leitura vão para uma réplica secundária, se houver.

Começando com o SQL Server 2016 (13.x), você pode balancear a carga de solicitações de tentativa de leitura entre réplicas secundárias legíveis. Especifique isso colocando as réplicas em um conjunto aninhado de parênteses na lista de roteamento somente leitura. Para obter mais informações e exemplos, consulte Configurar o balanceamento de carga entre réplicas somente leitura.

Nenhuma
Especifica que, quando esta réplica de disponibilidade for a réplica primária, o roteamento somente leitura não terá suporte. Esse é o comportamento padrão. Quando usado com MODIFY REPLICA ON, este valor desabilita uma lista existente, se houver.

READ_WRITE_ROUTING_URL = { ('<server_instance>') }
Aplica-se a: SQL Server (a partir do SQL Server 2019 (15.x))

Especifica instâncias de servidor que hospedam réplicas para este grupo de disponibilidade que atendem aos seguintes requisitos ao serem executadas na função primária:

  • A especificação da réplica PRIMARY_ROLE inclui READ_WRITE_ROUTING_URL.
  • A cadeia de conexão é ReadWrite ao definir ApplicationIntent como ReadWrite ou ao não definir ApplicationIntent e permitir que o padrão (ReadWrite) tenha efeito.

Confira mais informações em Redirecionamento de conexão leitura/gravação de réplica secundária para primária (Grupos de Disponibilidade Always On).

SESSION_TIMEOUT =seconds
Especifica o tempo limite da sessão, em segundos. Se você não especificar essa opção, por padrão, o período de tempo será de 10 segundos. O valor mínimo é 5 segundos.

Importante

Recomendamos que você mantenha o tempo limite em 10 segundos ou mais.

Para obter mais informações sobre o período de tempo limite da sessão, confira Visão geral dos grupos de disponibilidade Always On (SQL Server).

MODIFY REPLICA ON
Modifica qualquer uma das réplicas do grupo de disponibilidade. A lista de réplicas a ser modificada contém o endereço de instância de servidor e uma cláusula WITH (...) para cada réplica.

Com suporte apenas na réplica principal.

REMOVE REPLICA ON
Remove a réplica secundária especificada do grupo de disponibilidade. A réplica primária atual não pode ser removida de um grupo de disponibilidade. Ao ser removida, a réplica deixa de receber dados. Seus bancos de dados secundários são removidos do grupo de disponibilidade e inserem o estado RESTORING.

Com suporte apenas na réplica principal.

Observação

Se você remover uma réplica enquanto ela estiver indisponível ou com falha, quando ficar online novamente, ela descobrirá que já não pertence ao grupo de disponibilidade.

JOIN
Faz com que a instância de servidor local hospede a réplica secundária no grupo de disponibilidade.

Com suporte apenas na réplica secundária que ainda não foi unida ao grupo de disponibilidade.

Para obter mais informações, confira Unir uma réplica secundária a um grupo de disponibilidade (SQL Server).

FAILOVER
Inicia um failover manual do grupo de disponibilidade sem perda de dados para a réplica secundária à qual você está conectado. A réplica que hospedará a réplica primária é o destino de failover. O destino de failover assumirá a função primária, recuperará sua cópia de cada banco de dados e as colocará online como os novos bancos de dados primários. A réplica principal antiga faz a transição concorrente para a função secundária, seus bancos de dados se tornam bancos de dados secundários e são imediatamente suspensos. Potencialmente, estas funções podem ser alternadas de um lado para outro por uma série de falhas.

Com suporte apenas em uma réplica secundária de confirmação síncrona que esteja sincronizada com a réplica principal. Observe que para que a réplica secundária seja sincronizada, a réplica principal também precisará estar sendo executada em modo de confirmação síncrona.

Observação

Um comando de failover é retornado assim que o destino de failover aceita o comando. No entanto, a recuperação de banco de dados ocorre de forma assíncrona depois que o grupo de disponibilidade terminar o failover.

Para obter informações sobre as limitações, os pré-requisitos e as recomendações para executar um failover manual planejado, confira Executar um failover manual planejado de um grupo de disponibilidade (SQL Server).

FORCE_FAILOVER_ALLOW_DATA_LOSS

Cuidado

Forçar o failover, o que pode envolver alguma perda de dados, é estritamente um método de recuperação de desastre. Portanto, é altamente recomendável forçar failover apenas se a réplica primária ainda não estiver em execução, se estiver disposto a arriscar a perda de dados, e você deve restaurar o serviço para o grupo de disponibilidade imediatamente.

Tem suporte apenas em uma réplica cuja função está no estado SECONDARY ou RESOLVING. – A réplica na qual você insere um comando de failover é conhecida como o destino de failover.

Força o failover do grupo de disponibilidade, com possível perda de dados, para o destino de failover. O destino de failover assumirá a função primária, recuperará sua cópia de cada banco de dados e as colocará online como os novos bancos de dados primários. Em qualquer réplica secundária restante, todo banco de dados secundário ficará suspenso até que seja retomado manualmente. Quando a réplica primária antiga ficar disponível, ela assumirá a função secundária e seus bancos de dados se tornarão bancos de dados secundários suspensos.

Observação

Um comando de failover é retornado assim que o destino de failover aceita o comando. No entanto, a recuperação de banco de dados ocorre de forma assíncrona depois que o grupo de disponibilidade terminar o failover.

Para obter informações sobre as limitações, os pré-requisitos e as recomendações para forçar o failover e o efeito de um failover forçado nos bancos de dados primários antigos no grupo de disponibilidade, confira Executar um failover manual forçado de um grupo de disponibilidade (SQL Server).

ADD LISTENER 'dns_name'(<add_listener_option>)
Define um novo ouvinte de grupo de disponibilidade para esse grupo de disponibilidade. Com suporte apenas na réplica principal.

Importante

Antes de criar seu primeiro ouvinte, é altamente recomendável que você leia Criar ou configurar um ouvinte do grupo de disponibilidade (SQL Server).

Depois que você criar um ouvinte para um determinado grupo de disponibilidade, será altamente recomendável fazer o seguinte:

  • Peça ao administrador da rede para reservar o endereço IP do ouvinte para seu uso exclusivo.
  • Informe o nome do host DNS do ouvinte aos desenvolvedores de aplicativos para uso em cadeias de conexão ao pedir conexões cliente com esse grupo de disponibilidade.

dns_name
Especifica o nome de host DNS do ouvinte de grupo de disponibilidade. O nome DNS do ouvinte deve ser exclusivo no domínio e no NetBIOS.

dns_name é um valor de cadeia de caracteres. Este nome pode conter somente caracteres alfanuméricos, traços (-) e hífens (_), em qualquer ordem. Os nomes de host DNS diferenciam maiúsculas de minúsculas. O tamanho máximo é de 63 caracteres.

Nós recomendamos que você especifique uma cadeia de caracteres significativa. Por exemplo, para um grupo de disponibilidade denominado AG1, um nome de host de DNS significativo seria ag1-listener.

Importante

O NetBIOS reconhece somente os primeiros 15 caracteres no dns_name. Se você tiver dois clusters do WSFC que sejam controlados pelo mesmo Active Directory e tentar criar ouvintes de grupo de disponibilidade nos dois clusters usando nomes com mais de 15 caracteres e um prefixo idêntico de 15 caracteres, você obterá um erro relatando que o recurso Nome de Rede virtual não pôde ser colocado online. Para obter informações sobre regras da nomenclatura de prefixos para nomes DNS, consulte Atribuindo nomes de domínio.

JOIN AVAILABILITY GROUP ON
Une a um grupo de disponibilidade distribuído. Quando você cria um grupo de disponibilidade distribuído, o grupo de disponibilidade no cluster no qual ele é criado é o grupo de disponibilidade primário. O grupo de disponibilidade que se une ao grupo de disponibilidade distribuído é o grupo de disponibilidade secundário.

<ag_name>
Especifica o nome do grupo de disponibilidade que compõe metade do grupo de disponibilidade distribuído.

LISTENER =' TCP ://system-address:port'
Especifica o caminho da URL para o ouvinte associado ao grupo de disponibilidade.

A cláusula LISTENER é obrigatória.

'TCP://system-address:port'
Especifica uma URL para o ouvinte associado ao grupo de disponibilidade. Os parâmetros de URL são os seguintes:

system-address
É uma cadeia de caracteres, como um nome do sistema, um nome de domínio totalmente qualificado ou um endereço IP, que identifica o ouvinte de forma não ambígua.

port
É um número da porta associado ao ponto de extremidade de espelhamento do grupo de disponibilidade. Observe que essa não é a porta do ouvinte.

AVAILABILITY_MODE = { SYNCHRONOUS_COMMIT | ASYNCHRONOUS_COMMIT }
Especifica se a réplica primária precisa aguardar o grupo de disponibilidade secundário confirmar a proteção (gravação) dos registros de log em disco, antes que a réplica primária possa confirmar a transação em determinado banco de dados primário.

SYNCHRONOUS_COMMIT
Especifica que a réplica primária vai esperar para confirmar as transações até que elas tenham sido protegidas no grupo de disponibilidade secundário. Você pode especificar SYNCHRONOUS_COMMIT para até dois grupos de disponibilidade, incluindo o grupo de disponibilidade primário.

ASYNCHRONOUS_COMMIT
Especifica que a réplica primária confirma as transações sem aguardar esse grupo de disponibilidade secundário proteger o log. Você pode especificar ASYNCHRONOUS_COMMIT para até dois grupos de disponibilidade, incluindo o grupo de disponibilidade primário.

A cláusula AVAILABILITY_MODE é necessária.

FAILOVER_MODE = { MANUAL }
Especifica o modo de failover do grupo de disponibilidade distribuído.

MANUAL
Habilita o failover manual planejado ou o failover manual forçado (em geral, chamado failover forçado) pelo administrador de banco de dados.

Não há suporte para failover automático para o grupo de disponibilidade secundário.

SEEDING_MODE**=** { AUTOMATIC | MANUAL }
Especifica como o grupo de disponibilidade secundário será propagado inicialmente.

AUTOMATIC
Habilita a propagação automática. Este método propagará o grupo de disponibilidade secundário na rede. Este método não exige que você faça o backup e a restauração de uma cópia do banco de dados primário nas réplicas do grupo de disponibilidade secundário.

MANUAL
Especifica a propagação manual. Esse método exige que você crie um backup do banco de dados na réplica primária e restaure manualmente esse backup nas réplicas do grupo de disponibilidade secundário.

MODIFY AVAILABILITY GROUP ON
Modifica as configurações do grupo de disponibilidade para um grupo de disponibilidade distribuído. A lista de grupos de disponibilidade a serem modificados contém o nome do grupo de disponibilidade e uma cláusula WITH (…) para cada grupo de disponibilidade.

Importante

Este comando precisa repetido no grupo de disponibilidade primário e nas instâncias de grupo de disponibilidade secundário.

GRANT CREATE ANY DATABASE
Permite que o grupo de disponibilidade crie bancos de dados em nome da réplica primária, permitindo a propagação direta (SEEDING_MODE = AUTOMATIC). Esse parâmetro deverá ser executado em cada réplica secundária que permite a propagação direta depois que essa secundária se unir ao grupo de disponibilidade. Requer a permissão CREATE ANY DATABASE.

DENY CREATE ANY DATABASE
Remove do grupo de disponibilidade a capacidade de criar bancos de dados em nome da réplica primária.

<add_listener_option>
ADD LISTENER escolhe uma das seguintes opções:

WITH DHCP [ ON { ('four_part_ipv4_address','four_part_ipv4_mask') } ]
Especifica que o ouvinte de grupo de disponibilidade usará o protocolo DHCP. Opcionalmente, use a cláusula ON para identificar a rede na qual este ouvinte será criado. DHCP é limitado a uma única sub-rede que é usada para toda instância de servidor que hospeda uma réplica de disponibilidade no grupo de disponibilidade.

Importante

Nós não recomendamos o DHCP em ambiente de produção. Se houver um tempo de inatividade e a concessão do IP do DHCP expirar, a hora adicional deverá registrar o novo endereço IP da rede DHCP que está associado ao nome DNS do ouvinte e afetará a conectividade do cliente. No entanto, o DHCP é bom para configurar seu ambiente de desenvolvimento e teste para verificar as funções básicas de grupos de disponibilidade e para integração com seus aplicativos.

Por exemplo:

WITH DHCP ON ('10.120.19.0','255.255.254.0')

WITH IP ( { ('four_part_ipv4_address','four_part_ipv4_mask') | ('ipv6_address') } [ , ...n ] ) [ , PORT =listener_port ]
Especifica que, em vez de usar o DHCP, o ouvinte do grupo de disponibilidade usará um ou mais endereços IP estáticos. Para criar um grupo de disponibilidade em várias sub-redes, cada sub-rede exige um endereço IP estático na configuração de ouvinte. Para determinada sub-rede, o endereço IP estático pode ser um endereço IPv4 ou um endereço IPv6. Contate o administrador da rede para obter um endereço IP estático para cada sub-rede que hospedará uma réplica de disponibilidade para o novo grupo de disponibilidade.

Por exemplo:

WITH IP ( ('10.120.19.155','255.255.254.0') )

ipv4_address
Especifica um endereço IPv4 de quatro partes para um ouvinte de grupo de disponibilidade. Por exemplo, 10.120.19.155.

ipv4_mask
Especifica uma máscara IPv4 de quatro partes para um ouvinte de grupo de disponibilidade. Por exemplo, 255.255.254.0.

ipv6_address
Especifica um endereço IPv6 de quatro partes para um ouvinte de grupo de disponibilidade. Por exemplo, 2001::4898:23:1002:20f:1fff:feff:b3a3.

PORT =listener_port
Especifica o número da porta, listener_port, a ser usado por um ouvinte do grupo de disponibilidade especificado por uma cláusula WITH IP. PORT é opcional.

Não há suporte para o número da porta padrão 1433. No entanto, se você estiver preocupado com a segurança, nós recomendaremos usar um número de porta diferente.

Por exemplo: WITH IP ( ('2001::4898:23:1002:20f:1fff:feff:b3a3') ) , PORT = 7777

MODIFY LISTENER 'dns_name'(<modify_listener_option>)
Modifica um ouvinte de grupo de disponibilidade existente para esse grupo de disponibilidade. Com suporte apenas na réplica principal.

<modify_listener_option>
MODIFY LISTENER escolhe uma das seguintes opções:

ADD IP { ('four_part_ipv4_address','four_part_ipv4_mask') | ('dns_nameipv6_address') }
Adiciona o endereço IP especificado ao ouvinte do grupo de disponibilidade especificado por dns_name.

PORT =listener_port
Veja a descrição desse argumento anteriormente nesta seção.

RESTART LISTENER 'dns_name'
Reinicia o ouvinte que está associado ao nome DNS especificado. Com suporte apenas na réplica principal.

REMOVE LISTENER 'dns_name'
Remove o ouvinte que está associado ao nome DNS especificado. Com suporte apenas na réplica principal.

OFFLINE
Leva um grupo de disponibilidade online a se tornar offline Não há perda de dados para bancos de dados de confirmação síncrona.

Depois que um grupo de disponibilidade se torna offline, seus bancos de dados ficam indisponíveis para os clientes e você não pode recolocar o grupo de disponibilidade online. Portanto, use a opção OFFLINE somente durante uma migração entre clusters de grupos de disponibilidade Always On, ao migrar recursos do grupo de disponibilidade para um novo cluster WSFC.

Para obter mais informações, confira Colocar um grupo de disponibilidade offline (SQL Server).

Pré-requisitos e restrições

Para obter informações sobre os pré-requisitos e as restrições em réplicas de disponibilidade e nas instâncias e nos computadores de seus servidores host, confira Pré-requisitos, restrições e recomendações para Grupos de Disponibilidade Always On (SQL Server).

Para obter informações sobre as restrições nas instruções Transact-SQL AVAILABILITY GROUP, confira Visão geral de instruções Transact-SQL para grupos de disponibilidade Always On (SQL Server).

Segurança

Permissões

Requer a permissão ALTER AVAILABILITY GROUP no grupo de disponibilidade, a permissão CONTROL AVAILABILITY GROUP, a permissão ALTER ANY AVAILABILITY GROUP ou a permissão CONTROL SERVER. Também requer a permissão ALTER ANY DATABASE.

Exemplos

a. Unindo uma réplica secundária a um grupo de disponibilidade

O exemplo a seguir une a réplica secundária à qual você está conectado ao grupo de disponibilidade AccountsAG.

ALTER AVAILABILITY GROUP AccountsAG JOIN;  
GO  

B. Forçando failover de um grupo de disponibilidade

O exemplo a seguir força o failover do grupo de disponibilidade AccountsAG para a réplica secundária à qual você está conectado.

ALTER AVAILABILITY GROUP AccountsAG FORCE_FAILOVER_ALLOW_DATA_LOSS;  
GO  

Consulte Também

CREATE AVAILABILITY GROUP (Transact-SQL)
ALTER DATABASE SET HADR (Transact-SQL)
DROP AVAILABILITY GROUP (Transact-SQL)
sys.availability_replicas (Transact-SQL)
sys.availability_groups (Transact-SQL)
Solucionar problemas de configuração de grupos de disponibilidade AlwaysOn (SQL Server)
Visão geral dos Grupos de Disponibilidade AlwaysOn (SQL Server)
Ouvintes do grupo de disponibilidade, conectividade de cliente e failover de aplicativo (SQL Server)